Sobre metas de leitura


Começo de ano e as famosas metas sempre aparecem nas nossas vidas, mesmo que lá no fundo a gente sabe que será difícil cumpri-las.

Ok, eu sei que Janeiro já acabou e que já entramos no segundo mês de 2015. Não parecia que era ontem que estávamos comemorando a chegada de um ano novo?

Eu não sou uma pessoa de estabelecer metas. Prefiro que as coisas aconteçam no momento certo, quando o Universo conspirar ao seu favor, e quando eu quero que alguma coisa aconteça, eu trabalho em cima. Apesar de gostar muito de planejar coisas (de chegar ao ponto de ter listas de livros lidos e filmes vistos em ordem cronológica), tem certas coisas que prefiro que não sejam planejadas. Tipo leituras. Acho muito incrível quem consegue planejar tudo o que vai ler no mês e segue aquilo certinho. Vocês podem me achar meio maluca, mas eu quando preciso escolher um livro, eu fico olhando pra eles por um tempão, até eu me decidir. Eu meio que converso com eles por telepatia. 😀

No começo desse ano, nosso amigo, Mark Zuckerberg, criador de uma das maiores redes sociais do mundo: o Facebook criou uma página chamada A Year of Books. Desafiado por seus seguidores, Mark vai tentar cumprir o desafio de ler um livro a cada 15 dias. Ou seja, 2 livros por mês, 24 livros por ano. Ele criou essa página para que todos possam acompanhar o desafio sendo cumprido e também quais títulos ele irá escolher.

O primeiro livro escolhido foi O Fim do Poder do escrito venezuelano Moisés Naim e apágina já tem mais de 70.000 curtidas! Já foram colocados mais dois livros na lista de lidos que foram: The Better Angels of our Nature de Steven Pinker e  Gang Leader For A Day  de Sudhir Venkatesh.

Você pode acompanhar tanto pela página do Facebook do projeto e também pelo site onde as pessoas podem sugerir os  livros e os titulos que já foram lidos para o projeto. Os links para as páginas estão aqui:

Facebook

Site

Será que ele vai conseguir cumprir a sua meta? E você, tem uma meta de leitura para 2015? Ano passado eu consegui ler 31 livros e queria ler 35 livros esse ano, mas como meu tempo pra leitura está menor, provavelmente eu não vou conseguir chegar a esse número. Mas não vou ficar frustrada porque o importante é ler e conhecer histórias novas.

Anúncios

Pequenas vitórias


15daystreak

Olá pessoal! Como de praxe, sumi e voltei. Já nem prometo mais nada além do seguinte: quem é vivo sempre aparece!

Recebi uma mensagem de uma leitora muito fofa via Facebook dia desses (ok, há muitos dias haha.. enfim!) e fiquei tão feliz que acabei decidindo escrever novamente. Só demorei pela falta de criatividade mesmo… sei que assunto tenho de monte: faculdade, viagens, produtos, livros, filmes, seriados… acho que é uma overdose de informação que nem sei por onde começar.

Então hoje resolvi postar algo simples, mas que acho legal. Outro dia li algo interessante sobre como alcançar metas sem se desdobrar em vinte. Coisa parecida com o que todo mundo já sabe – fazer de pouco em pouco. Mas a dica veio de uma fonte interessante – Jerry Seinfeld, um comediante de quem sou fã desde criança (viciada em Seinfeld). Seinfeld usa um calendário e faz um X a cada dia que consegue escrever um pouco. Ao longo do tempo, ele tem um calendário com vários X, formando uma corrente. Se ele não escreve em um dia, ele quebra a corrente de X. A luta, então, não é escrever maravilhas e ter obras primas no final de cada dia, mas sim ter uma corrente inquebrável. Treinando um pouco a cada dia, dentro dos seus próprios limites.

Aplicando isso à minha realidade e usando aplicativos no celular (meu favorito é o Any.do), tentei usar isso ao meu favor para duas atividades: estudar Python (programação) e praticar meu francês no Duolingo. Outro dia, consegui fazer 2 semanas seguidas no Duolingo! Aí em cima o e-mail recebido do Duolingo, que também ajuda mandando mensagens e lembretes no celular.

Eu sempre achei que pequenas vitórias (como uma nota boa na escola/faculdade, um pequeno passo à frente na conquista dos sonhos, convencer um amigo a fazer algo legal) devem ser comemoradas! Então este post é basicamente isso – uma comemoração deste pequeno marco. 16 dias, contando com hoje, seguidos estudando francês. A ideia agora é estudar um pouco mais, italiano e talvez alemão também, no próprio Duolingo.

Além da comemoração, fica a dica de como não desistir! Marque em algum lugar e lembre-se, essa marcação é tão importante quanto fazer o que você precisa fazer. Cobre de si mesmo. Faça.

Ah! E fica a dica do Duolingo, também! Quando aprendemos línguas, toda e qualquer prática e contato com o que estamos estudando ajuda. Claro que Duolingo jamais vai substituir uma aula com um professor, mas auxilia bastante no sentido de não perder o que já foi aprendido e manter o contato com a língua.

 

Only The Good Die Young


Finn-rachel-finn-and-rachel-12751592-1250-866

Eu sei que esse post está um pouco atrasado, ma só agora eu consegui terminá-lo da maneira correta.

Como a maioria daqui sabe, eu e a Amanda somos duas fãs da série Glee.

Posso falar por mim, por mais infantil que possa parecer, que essa série me ensinou muitas coisas e fez parte da minha vida. Eles conseguiam traduzir em músicas o que eu precisava ouvir ou o que eu queria falar.

Quantas vezes eu não ouvi Don´t Stop Believing ou Get Right para me sentir melhor? A série tinha esse poder de me colocar pra cima, algo fora do meu cotidiano.

Lembro que a Amanda me falou da série e fui assistir. E a primeira música que me fez ficar realmente viciada pela série foi It´s My Life / Confessions PT. 2. Enlouqueci.

E desde então, eu ficava esperando ansiosamente por cada capítulo, cada música que eles cantariam e depois de assistir, e muitas vezes cair no choro (porque eu quase não choro) eu corria para ouvir e baixar todas as músicas de novo.

A quarta temporada, devo confessar que fiquei meio decepcionada, não pela história, mais pelos novos personagens que não foram tão carismáticos quanto os “velhos” eram.

Depois da fatídica notícia, eu não sabia o que pensar. Não estava acreditando e na verdade ainda não consigo me conformar com o que aconteceu. Porque aparentemente tudo estava ok, Cory tinha o apoio da sua família, amigos e principalmente da Lea.

E a única coisa que me vem na cabeça é: por quê?

E daí a única resposta vem de uma das músicas originais de Glee, que a Rachel cantou: “and accept the truth, that sometimes life isn´t fair” (e aceitar a verdade que às vezes a vida não é justa). E acho que foi isso, uma injustiça.

Mas, por mais que a gente esteja triste, a gente tem que lembrar das pessoas quando elas estavam vivas e felizes. Cory como Finn passava muita alegria de viver, companheirismo e amizade inabalável.

Esses dias resolvi criar coragem e assistir o capítulo homenagem ao Cory “The Quarterback”achando que eu estava pronta e que não ia me emocionar. Engano meu. Era claro que todos os atores estavam lá como pessoas e não como os seus personagens. Dava para ver a tristeza e o vazio dentro de cada um, e quando a Lea apareceu, foi uma tristeza sem fim. Apesar de toda a tristeza e sentimentos envolvidos, foi uma bela homenagem com os ingredientes na medida certa.

Seja qual for a razão que tenha transformado você em um anjo, descanse em paz Sr. Monteith.

Cuide da Lea como você sempre fez. Mais do que nunca, ela vai precisar de muita força.

Rezando por todos os familiares, amigos e pelo elenco de Glee que também era considerado como família por ele.

E pra terminar, um compilado com todas as músicas do episódio, que particularmente achei as escolhas fantásticas.

 

 

“The show must go…all over the place…or something”