Paper Towns – Trailer


Hello again!

Esta semana saiu o trailer do Paper Towns!! Finalmente temos uma ideia de como ficará o filme. Escrevi uma resenha sobre o livro em janeiro e estou empolgada para ver o filme!

Eu sou uma pessoa difícil de agradar e sinceramente acho que o trailer poderia ter sido mais bem pensado. Por exemplo, eles colocaram praticamente todos os pontos importantes da história no trailer! Nem eu fiz isso na minha resenha, como pode isso?! Mas tudo bem, o que interessa é que o filme está chegando e ele aparentemente vai ser lindo!

Eu amo John Green e acho genial estarem transformando os livros dele em filmes. Os livros dele me fazem pensar, nunca consigo “devorar” os livros dele pois eles costumam ser pesados e cheios de situações complexas. Demorei um pouco para terminar Looking for Alaska, por exemplo. Vou fazer um post sobre ele em breve!

Portanto, antes de ver o filme, minha recomendação é: LEIA O LIVRO!!

Não sei como enfatizar mais isso, hahaha! Acho que quem viu A Culpa é das Estrelas sem ter lido o livro deve ter sentido algo faltando, pois o livro preenche todas as entrelinhas que o filme deixa em aberto. Todos os sentimentos não comentados são expostos à análise, e eu adoro isso.

Para finalizar, viva John Green e viva Hollywood por levar nossos livros queridinhos às telas!

Anúncios

Paper Towns


Hoje o post é uma resenha de um livro que era pouco conhecido até que resolveram fazer o filme dele!

Paper Towns, ou Cidades de Papel, é um livro escrito por John Green e publicado em 2008. O livro é narrado por Quentin Jacobsen, ou simplesmente Q, e boa parte de sua história trata de uma menina chamada Margo Roth Spiegelman.

Opinião

Acho que sem dar spoilers e estragar a história para quem ainda vai ler, posso dizer que o livro é emocionalmente carregado e difícil de terminar rapidamente por conta do conteúdo. Parece bobo, é só um livro, mas do início ao fim senti dificuldade em ler sem parar um pouco e voltar para a ‘vida real’, sair do mundo do Quentin e da Margo e lembrar que é apenas ficção.

A partir deste ponto da resenha, pode ser que eu dê alguns spoilers. Estão avisados, hein?

Enredo

O livro começa com os dois ainda pequenos, aos 9 anos, brincando juntos no parque, e desde já temos uma visão clara da personalidade de cada um. Quentin acaba seguindo tudo que Margo diz e ela não tem medo de nada. Eles esbarram, sem querer, em uma cena chocante e cada um tem uma reação completamente oposta. Margo resolve investigar, enquanto Quentin quer apenas ir para casa.

Continuando a história, acompanhamos os dois adolescentes, já não tão próximos. Margo agora é popular e Quentin… nem tanto. Quentin ainda gosta de Margo, mas apenas de longe. Um dia, Margo visita a janela de Quentin à noite para que ele a ajude a se vingar de pessoas que a decepcionaram. Como Quentin ainda gosta dela, ele faz tudo que ela pede. A noite se transforma em uma aventura e Quentin começa a ter esperanças de que as coisas possam voltar a ser como eram.

No dia seguinte, ela some misteriosamente. Q e seus amigos Radar, Ben e Lacey passarão o resto da história seguindo pistas deixadas pela Margo para encontrá-la, temendo o pior. Uma roadtrip divertida e às vezes desesperadora.

papertowns

É assim que eu resumiria a história, sem entregar todo o enredo. É um livro muito bom, é uma história envolvente, sem dúvidas. Mas o início, a ansiedade e as reviravoltas e até mesmo o final do livro… tudo é muito tenso e te faz roer as unhas, rir, chorar, tudo junto. Uma emotional roller-coaster, eu diria.

Here you go: John Green lendo o início do livro Paper Towns! 🙂

Filme

Link no IMDb: http://www.imdb.com/title/tt3622592/?ref_=nm_flmg_act_3

As filmagens já acabaram, o John Green, assim como em A Culpa é das Estrelas (TFiOS), atuou como Executive Producer do filme e registrou bastante coisa legal no set e deixou pelo instagram e no Vlogbrothers! O Q é interpretado por Nat Wolff, que interpretou o Isaac em TFiOS. Margo é interpretada por Cara Delevingne. Atenção: SPOILERS nos vídeos!

Nat e Cara

E você, já leu Paper Towns? Gostou? Conhece algum livro parecido?? Aceitamos recomendações de livros! 🙂

Leitura gostosa: A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista


Image

Hoje resolvi escrever sobre um livro, pois ando lendo desenfreadamente! Nada como poder contar com um livro para nos aconchegar em um mundo diferente do nosso, experimentar algo novo sem sair da nossa rotina. 

Li The Statistical Probability of Love at First Sight, por Jennifer E. Smith, ontem. Em um só dia, foi uma leitura gostosa e rápida. Passei o dia lendo, é claro, um domingo preguiçoso e bem aproveitado. 

Meu primeiro contato com o livro foi vê-lo nas livrarias por aqui, com a Júlia do blog, e ela comentou que já ouviu falar que era um bom livro. Meu segundo contato foi assistindo um vídeo do John Green no canal Vlogbrothers, onde ele comenta que a nerdfighter Jennifer Smith escreveu este livro e que ele adorou. Foi suficiente para me convencer, consegui o livro para ler no iPad e me comecei assim que pude. 

O livro conta a história de Hadley Sullivan, que está sendo obrigada a ir ao casamento de seu pai com uma mulher, a qual ela nunca conheceu, em Londres. No dia do vôo, ela tem diversos atrasos em seu horário e acaba perdendo seu vôo por alguns minutos. Ela consegue um vôo três horas mais tarde e precisa esperar no aeroporto JFK, exasperada, querendo e não querendo ir ao mesmo tempo. Lá, encontra Oliver, um rapaz britânico simpático e com ótimo senso de humor. Os dois se dão bem e passam o vôo conversando e confortando um ao outro. 

Vou parar de descrever a história por aqui para não falar demais, porque acho que já acabei falando um bocado além do que deveria. A história é curta, as melhores partes são os diálogos entre Hadley e Oliver. Suas brincadeiras e descobertas são tão envolventes, durante o vôo nos sentimos como um passageiro que está só observando e ouvindo o jovem casal. Apesar de só se conhecerem por algumas horas, parecem se entender tão bem que aparentam já serem um verdadeiro casal. 

A história cativante, a personalidade forte de Hadley, o mistério da família de Oliver, em conjunto fazem esse livro conquistar. É o tipo de livro que é difícil parar de ler, que devoramos por inteiro.

Como John Green mesmo já recomendou, estes são meus ‘2 cents’ e nada mais! Amei e achei uma leitura super light, apesar de ter uns tópicos mais tensos. 

Amei o livro e recomendo muito, mesmo! Se puder, confira este livro meigo e interessante.